quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Hoje na História: 40 Anos da Morte de Di Cavalcanti

26.Out.76

Emiliano Di Cavalcanti, um dos grandes nomes da pintura brasileira, morria no dia 26 de outubro de 1976, no Rio de Janeiro. Nascido em 6 de setembro de 1897, também na capital fluminense, idealizou e organizou a Semana de Arte Moderna, em São Paulo, em 1922. Ele quem criou o catá¡logo e o programa do evento. No ano seguinte, viajou para Paris, onde ficou até 1925. Na Europa, conheceu Picasso, Matisse, Eric Satie, Jean Cocteau, entre outros. Na sua volta ao Brasil, em 1926, entrou para o Partido Comunista. Nos anos 30, iniciou suas participações em exposições coletivas, salões nacionais e internacionais. Em 1932, foi preso durante a Revolução Paulista. Alguns anos depois, voltou a ser detido por desenhos que satirizavam o militarismo da época. Nos anos 40, voltou a morar em Paris, mas deixou a cidade por conta da Segunda Guerra Mundial. Em 1951, participou da I Bienal de São Paulo e fez uma doação de mais de 500 desenhos ao Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em meados da década de 50, foi convidado por Oscar Niemayer para criar as imagens da tapeçaaria que seria instalada no Palá¡cio da Alvorada e para pintar as estações para a Via-sacra da catedral de Brasí­lia. Na década de 70, o Museu de Arte Moderna de São Paulo organizou uma retrospectiva da obra do pintor, que recebeu prêmio da Associação Brasileira de Crí­ticos de Arte. Um dia após sua morte, Di Cavalcanti foi homenageado pelo cineasta e amigo Glauber Rocha, que rodou o curta metragem Di durante o velório do pintor. O filme foi conduzido pela narração frenética e radiofônica de Glauber, filmado com uma câmera de 35mm, que incomodou familiares e demais presentes no funeral. O curta ganhou o Prêmio Especial do Júri no Festival de Cannes, em 1977. Sua exibição no Brasil foi proibida pela famí­lia de Di Cavalcanti, que considerou uma afronta a iniciativa de Glauber Rocha.

Arquivo/File