Entrevista do Bimestre: Mauricio Macri

Em relação ao Mercosul, o bloco poderia pedir à Venezuela que realize o referendo revogatório ainda este ano? O chanceler José Serra mencionou uma proposta argentina neste sentido.
Já me expressei publicamente, o povo venezuelano tem direito a expressar-se, sobretudo diante da violação sistemática dos direitos humanos cometida pelo governo de Nicolás Maduro. Ainda não o vejo como parte da agenda no Mercosul, vamos ver no dia 3 de outubro quando falemos com o presidente Temer sobre o assunto.
 Falta de apoio do Uruguai?
Não, ainda não se colocou uma posição assim como Mercosul. A Argentina a adotou como país, individualmente.
* Mas a Argentina tem uma proposta?
Não fizemos nenhuma proposta nesse sentido.
* E na segunda-feira?
Veremos, vamos falar em profundidade. Acho que tudo o que possa ser feito para ajudar os irmãos venezuelanos deve ser feito, estou aberto a todas as alternativas possíveis que permitam que haja referendo e assim ver se finalmente são realizadas eleições antecipadas na Venezuela. 
* Viu Maduro na Colômbia?
Estivemos no mesmo espaço físico, mas não o vi.
* Não trocaram palavras?
Não
* O presidente de Peru, Pedro Pablo Kuczynski, disse que há que pressionar a Venezuela porque é muito perigoso o que pode acontecer se a Venezuela não resolver a crise política. O sr. concorda que há que aumentar a pressão? Como se faria isso?
Ao máximo possível. De toda maneira que for possível. Não é fácil a situação. Estou muito preocupado porque tomei posições claras em relação ao tema, mas o único que se vê de longe é que cada dia os resultados estão piores. Sinto que o governo de Maduro radicaliza suas posições em vez de gerar uma abertura ao diálogo. Não tenho claro como vai evoluir o assunto.
Acredita que até 1º de dezembro a Venezuela poderia cumprir as normas do Mercosul ou inclusive seria mais conveniente ao bloco que as coisas fiquem como estão?
Na minha opinião, o ingresso da Venezuela não acrescentou nada positivo ao Mercosul. Assim que o Mercosul seguiria adiante de uma forma mais fácil sem a Venezuela de hoje que com a Venezuela de hoje.
* Se refere às condições econômicas ou mais às questões democráticas?
Primeiro, ao não respeito às normas democráticas e segundo ao sistema econômico, que está colapsado na Venezuela. 
*Estaria então mais inclinado para que Venezuela baixasse de status de membro associado, como é Bolívia e Chile.
A Venezuela não cumpriu os requisitos que tinha que cumprir para ser um membro ativo do Mercosul. Se em 1º de dezembro não os cumpre, deixa de pertencer ao Mercosul.
Com relação à Venezuela e a outros assuntos de política externa, eventualmente a chanceler Susana Malcorra baixa um pouco o tom de suas declarações. Ocorreu com com Malvinas, Venezuela, Mercosul. Há um ruído entre os dois?
Nenhum. Ela é a chanceler e eu sou o presidente. Me dou o direito de me expressar com claridade absoluta sobre o que penso e a chanceler faz a tarefa diplomática.  O que sentimos os argentinos é que temos que ser solidários com os venezuelanos. Na época da ditadura na Argentina, um dos países mais abertos a receber exilados argentinos foi a Venezuela. Devemos aos venezuelanos uma defesa irrestrita de seus direitos, que hoje são violados por um governo que atropelou as instituições democráticas.

* Perguntas feitas pelos correspondentes de Folha de S. Paulo e O Globo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como funciona o pensamento conceitual

Inteligência e pensamento

Chave de Ativação do Nero 8