Medicina Ayurveda - Parte 3

A busca da pureza

O segredo da saúde, nessa medicina, é reconhecer, eliminar e reduzir a captação de toxinas, que bloqueiam o fluxo da energia vital. É claro que um médico pode fazer muito para que cheguemos lá, mas o auto-estudo é fundamental: cada um precisa aprender a ligar seu próprio detector de venenos.
Na guerra às toxinas, a meditação é arma obrigatória, indicada como prática diária para higienizar a mente. A dieta alimentar, que é adequada a cada dosha, é outra forma de controlar o acúmulo de impurezas.

Acontece que um filme de ação pode ser mais tóxico que uma feijoada - isso depende da sensibilidade de cada um. Podemos não perceber como a saúde é afetada por uma cena na TV ou uma palavra atravessada, mas o saber hindu dá extrema importância ao que entra pelos buracos da nossa cabeça. Como é através dos sentidos que se conversa com o universo, as práticas da ayuverda querem refiná-los, para que sempre extraiam do meio um máximo de energia e um mínimo de toxinas. Natural que a massagem tenha tanta ênfase: a pele, além de ser nossa proteção, é o maior órgão dos sentidos.

Massagem na alma

Você pode ler a teoria, mas outra coisa é deitar, fechar os olhos e se entregar, por exemplo, ao conforto que vem de um fio de óleo morno, descendo contínua e lentamente sobre a testa. Esse toque curativo, sem mãos, chama-se "shirodara" e é só isso mesmo: sobre a cabeça do felizardo, a tigela presa a um suporte verte um preparado de ervas medicinais.

Na sessão, a percepção vai sendo atraída, suavemente, para o ponto, entre as sobrancelhas, que está sendo acariciado pelo calor e a viscosidade do líquido. O relaxamento é tanto que há um vislumbre de expansão de consciência, talvez porque o estímulo esteja localizado na região conhecida como "terceiro olho" o chakra ligado à nossa espiritualidade.

Naqueles 60 minutos, nada mais existe, só o prazer de estar ali. Não há turbulência mental que resista ao poder de shirodara. A técnica harmoniza os hemisférios cerebrais, combate estresse, depressão e insônia.

Todo mundo merece, também, passar pela "abhyanga" (que significa "mãos amorosas"), a massagem ayurvêdica mais difundida. A pessoa é banhada em muito óleo morninho e tem os dois lados do corpo friccionados ao mesmo tempo, por quatro mãos sincronizadas.

A técnica, usada para acelerar a liberação de toxinas e fortalecer o sistema imunológico, tem uma versão de automassagem, para ser feita todo dia, e uma dedicada aos bebês.

E é mesmo como um bebê que a pessoa é recebida e cuidada, na versão da abhyanga a quatro mãos. É fácil regredir ao útero em meio a tanta proteção, num leito quente e inundado de óleo. As manobras ritmadas dos terapeutas, um à esquerda, outro à direita da maca, dão mais coerência ao corpo. É como se tudo se encaixasse quando os seus dois lados ganham toques simultâneos. É como se você deixasse de ser cabeça, tronco e membros para se sentir um todo.

Outra delícia é a massagem que ativa os "marmas", os centros de energia vital onde os tecidos do corpo se encontram, na definição do doutor Bokulla. Os marmas, também vistos como elos entre matéria e consciência, correspondem aos pontos trabalhados na medicina chinesa.

Como há por aí um uso não lá muito ético do nome da ayurveda, antes de deitar e relaxar é melhor perguntar como, onde, com quem e em quanto tempo o massagista se formou. Não custa saber que o Estado de Keralla, no sul da Índia, é o berço e a cena dessa ciência; que a Califórnia é o grande centro de estudos e difusão; que os médicos norte-americanos David Frawley e Vasant Lad são os únicos ocidentais considerados no métier e, principalmente, que ninguém vira terapeuta ayurvêdico após um workshop de fim de semana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como funciona o pensamento conceitual

Significado dos Dias da Semana

Chave de Ativação do Nero 8